A Armadilha do Pedestal


 

A Armadilha do Pedestal

Por Robert J. Tamasy

 


Quem são os seus heróis, aqueles por quem você tem grande admiração, pessoas cujo exemplo gostaria de imitar?

Todos nós temos pessoas por quem nutrimos grande estima. Homens e mulheres que estabelecem um parâmetro elevado de comportamento e desempenho pessoal e profissional.

Existe apenas um problema com esses heróis: são humanos como nós e erram. Quando isso acontece, nos sentimos desapontados e traídos, porque deixaram de viver à altura de nossas expectativas.

Recentemente um destacado líder tomou decisões equivocadas e suas falhas vieram a público.

Sua reputação de homem íntegro e de princípios éticos sofreu considerável dano. Como um de seus admiradores, eu estava entre os que ficaram surpresos e consternados com as revelações.

Aquele homem não exibia nenhum sinal que poderia cair em desgraça.

Mas cedo ou tarde, todos nós podemos cair, mesmo vivendo segundo valores que nos são caros.

A Bíblia, que considero o maior e melhor manual já compilado para o mundo empresarial e profissional, é bastante claro:

“Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus” (Romanos3.23).

O contexto refere-se a deixar de agir segundo padrões perfeitos e inabaláveis de Deus. Jamais encontrei uma pessoa perfeita. Você já?

Portanto, todos nós nos encaixamos no “todos pecaram”. Significa que deveríamos relevar, ignorar ou desculpar comportamentos errados? Não!

Os que ocupam posições de liderança deveriam entender que serão julgadas de acordo com elevados padrões e expectativas, mais rigorosos que os aplicados a seus liderados, porque devem servir de exemplo.

Porém, alimentar expectativas ou exigir perfeição deles não seria razoável nem realista.

Tão logo colocamos nossos heróis num pedestal podemos começar a esperar sua queda.

Eis alguns princípios da Bíblia para lidar com falhas – dos outros e nossas próprias:

Não se apresse em julgar. Quando o erro é descoberto somos rápidos a rotular a pessoa como fraudadora ou algo pior. Podemos até estar certos, mas precisamos admitir que dependendo das circunstâncias, poderíamos também ser igualmente culpados.

“Não julguem para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês” (Mateus 7.1-2).

Olhe para si mesmo. Já foi dito que temos tendência de ser mais críticos com aqueles que refletem nossas próprias deficiências e áreas de fraqueza.

Antes de condenar outros, certifique-se de não esconder seus próprios pecados.

“Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e não se dá conta da viga que está no seu próprio olho?… Tire primeiro a viga de seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão” (Mateus 7.3-5).

Não minimize suas próprias vulnerabilidades.

Anos atrás um líder afirmou que uma área na qual ele jamais tropeçaria era a de relacionamentos.

Em poucos anos veio a público que esse homem casado estava envolvido em um caso extraconjugal com sua assistente administrativa.

“Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!” (I Coríntios 10.12).

Para assinar  – Maná da Segunda

Anúncios