OBESIDADE – Estudo aponta encolhimento do cérebro


 


(BR Press*) – Estudo realizado pela University School of Medicine, de Nova York, nos Estados Unidos, avaliou os efeitos da obesidade na estrutura física do cérebro.

A doença, que está ligada a outras doenças degenerativas, como o diabetes, atinge 400 milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, pelo menos 3,5 milhões de pessoas estão em estado de obesidade mórbida.

Os pesquisadores realizaram um exame de ressonância magnética em 63 pacientes, sendo 44 obesos e 19 magros.

As pessoas obesas apresentaram mais água na amígdala, parte do cérebro responsável pelo comportamento alimentar, e um encolhimento na camada externa da parte frontal do cérebro, área envolvida no processamento cognitivo e tomada de decisões.

“Com esse resultado, os pesquisadores concluíram que no cérebro dos pacientes obesos existem neurônios a menos ou eles estão encolhidos.

A obesidade é um fator de risco para diversas outras doenças, em especial o diabetes tipo 2, que está ligada à disfunção cognitiva”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, Dr. Ricardo Cohen. Além das constatações de perdas neurológicas apontadas no estudo, a obesidade provoca também uma série de outros problemas relacionadas à saúde, como o diabetes tipo 2, que prejudica a sensibilidade das pessoas à insulina, resultando no acúmulo de açúcar no sangue.

Diabetes no Brasil O diabetes, doença que atinge 5,4% da população, mais de 11 milhões de brasileiros, é a terceira causa de morte no país, ficando atrás apenas das doenças coronárias e cardiovasculares.

Pessoas com obesidade tem o dobro de chances de desenvolver o diabetes tipo 2.

A insulina é responsável pela regulação do metabolismo de carboidratos e gordura no corpo, além de controlar o fornecimento da dopamina, um neurotransmissor necessário para a atenção e atividade motora.

A falta da insulina provoca perturbações na atividade da dopamina, podendo causar outros distúrbios cerebrais, como a depressão, doença de Parkinson, esquizofrenia, défcit de atenção e hiperatividade.

“A obesidade e o diabetes, que são doenças relacionadas, são degenerativas e o melhor tratamento, comparado ao tratamento clínico e a evolução das doenças, é o cirúrgico.

Diversos estudos nacionais e internacionais comprovam que os pacientes conseguem permanecer magros com mais facilidade, vivem mais e não adquirem ou interrompem as afecções típicas da obesidade, como o diabetes”, destaca Dr. Cohen.

O número de diabéticos deve aumentar em 65% na América Latina nos próximos 20 anos. A estimativa é de que cheguem a 30 milhões o total de casos latino-americanos nas duas décadas e que aumente de 285 milhões para 438 milhões o número de pessoas com a doença no mundo, de acordo com o levantamento da Federação Internacional de Diabetes.

Cirurgias Três tipos de cirurgia se mostram eficientes no controle do diabetes: o by-pass gastrojejunal, as derivações bilio-pancreáticas (scopinaro e “duodenal switch”) e a banda gástrica ajustável.

As duas primeiras técnicas criam um atalho para o alimento, que é desviado do duodeno e chega antes à parte final do intestino. Esse desvio altera a secreção de alguns hormônios intestinais, como o GLP-1, cujo aumento estimula a produção de insulina, resultando na melhora ou até mesmo remissão total do diabetes tipo

2. A banda gástrica ajustável atua sobre a perda de peso e mais lentamente pode levar à melhora do diabetes, porém por meio de mecanismos diferentes das duas primeiras. As operações para o controle do Diabetes melhoram a sensibilidade à insulina nos pacientes e a habilidade do corpo de aproveitar a glicose na corrente sanguínea.

A sensibilidade à insulina é prejudicada em pessoas com diabetes tipo 2, resultando no acúmulo de açúcar no sangue. Os bons resultados da cirurgia para o controle do diabetes tipo 2 devem-se, basicamente, a dois fatores: a perda de peso do paciente e principalmente a alteração hormonal. “No início pensava-se que o controle da doença era consequência apenas do emagrecimento do paciente, porém os índices ligados a diabetes eram normalizados poucos dias após a cirurgia, antes que houvesse uma perda significativa de peso. Portanto, concluiu-se que a alteração hormonal também tem um papel fundamental no êxito do tratamento”, explica Dr. Cohen.

(*) Com informações da Target Consultoria em Comunicação Empresarial.

 

Yahoo!

 

 

Anúncios