Pedalando com cuidado


 

 Pedalando com cuidado

Andar de bicicleta nos grandes centros urbanos é um ótimo programa, mas também pode ser arriscado. Conheça algumas dicas para evitar acidentes

 

 

Pedalar é um passeio gostoso, fácil e barato. Mas fazer isso entre carros, caminhões, motos (com condutores imprudentes), pode se tornar uma aventura perigosa, como mostraram alguns acidentes recentes, entre eles, o da estudante Márcia Regina Prado, atropelada por um ônibus no começo do ano, em São Paulo. Mas apesar dos perigos, os bikers continuam dominando as ruas das capitais do mundo, seja para driblar o trânsito ou adotar um estilo de vida mais saudável. Mas entre a sinalização ineficiente e o trânsito cada vez mais caótico, a recomendação passou a ser uma só: redobrar a atenção.

 

Onde andar

 

Por mais que existam regras e leis nas ruas, andar em ciclovias projetadas, parques ou espaços fechados ainda continua sendo a melhor forma de se prevenir acidentes. Mas nem todas as cidades disponibilizam esses espaços. Nesses casos, o mais indicado é obedecer à sinalização, afinal a bicicleta também é um veículo. Para evitar imprevistos, procure circular por estradas e avenidas onde a velocidade dos automóveis seja moderada. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, deve-se sempre evitar andar na contra mão, que aumenta consideravelmente o risco de acidentes graves.

 

Cuidados

 

Como muitas regiões ainda não estão preparadas para garantir segurança dos ciclistas, quem anda de bike precisa prestar atenção especial a determinados pontos das cidades, como cruzamentos, entroncamentos, saídas de automóveis (garagens e estacionamentos), além de portas de carros estacionados, que podem ser abertas a qualquer hora.

 

Além disso, antes de sair de casa, é fundamental fazer um checklist de equipamentos de segurança para evitar lesões mais graves. Confira abaixo os indispensáveis.

 

Óculos de proteção: a visão pode ser prejudicada com objetos que atinjam os olhos, como folhas, por exemplo.

 

Capacete: deve possuir múltiplos ajustes, proteção de nuca acolchoada e ser bem ventilado.

 

Luvas: feitas de tecido que respirem, almofadadas e em couro na palma da mão.

 

Tênis: qualquer um que não escorregue no pedal. Mantenha os cadarços presos, para evitar que eles enrosquem na coroa.

 

Joelheira: que seja confortável e não aperte a circulação, evitando dores e inchaços.

 

Cotoveleira: para evitar o contato direto do braço com o chão, prevenindo o ciclista de uma contusão mais grave. 

 

Não escorregue

 

Com a proteção pessoal devidamente em cima, é hora de equipar a bike. No Brasil, o único item exigido por lei é o retrovisor, porém outros acessórios podem evitar situações pouco agradáveis. Além dele, uma boa ideia é instalar uma buzina com um som que chame a atenção de carros e pedestres. Já o uso de um pequeno farol na frontal, além de tornar a sua bicicleta mais visível para os motoristas em um cruzamento, também serve para avistar obstáculo e buracos à noite.

 

 

 

Dicas

 

Respeite a sinalização

 

Fique bem visível no trânsito. Use roupas de cores chamativas à noite

 

Não se esconda entre veículos estacionados

 

Evite ziguezague e movimentos bruscos

 

Em trânsito lento, fique atrás do carro e guarde boa distância

 

Cuidado com buracos, valetas, bueiros e outros obstáculos. Antecipe sua ação olhando para frente

 

Mantenha a bicicleta e equipamentos sempre em perfeitas condições

 

Não utilize fones de ouvido, pois eles podem afetar a sua percepção externa, importante para circular nas grandes cidades.

 

Guia da Semana

A reportagem fala de Cotoveleiras e joelheiras. Mas não informa que refletores são obrigatórios. E como um "erro menor" fala que nas pistas segregadas está garantida a segurança. Todos sabemos que nas ciclovias são comuns acidentes entre ciclistas. Tanto pelo maior número de bicicletas em circulação, como pela conduta inadequada dos condutores. (João Lacerda – Transporte Ativo)

 

Só para constar: um amigo que caiu da bike, rachou o capacete, acredite se puder.

 

 

Anúncios