Terapia do Riso


 

"O riso não cura a doença, mas

fortalece o organismo"

Por Giuliana Reginatto

 

São Paulo (AE) – O impacto da alegria sobre a saúde humana motivou a criação de um laboratório específico para estudos sobre o tema. Trata-se do Instituto da Ciência da Felicidade, coordenado pela cientista Silvia Helena Cardoso, doutora em psicobiologia pela Universidade de São Paulo (USP) e pós doutora em neurociência pela Universidade da Califórnia de Los Angeles (UCLA). "O riso não cura a doença, mas pode fortalecer o organismo e melhorar o sistema orgânico, realizando uma atividade preventiva", esclarece.

 

Na avaliação de Silvia, as endorfinas liberadas durante o riso podem atuar de modo analgésico. "É por isso que o riso pode atenuar dores, inclusive emocionais. Ele é contagioso: quando vemos alguém gargalhar temos vontade de rir também por causa de uma estrutura cerebral chamada neurônio espelho, também ativada quando sentimos aquele mal-estar ao vermos alguém machucado. A principal função do riso é a comunicação. Ao transmiti-lo para o outro estaremos evocando reações igualmente positivas."

 

Silvia explica que o ser humano possui sistemas neurais específicos para os vários tipos de sentimento – entre eles felicidade, medo e raiva. "Isso ocorre primeiramente em nível subconsciente. Os macacos, por exemplo, também riem ao trocarem cócegas embora sejam incapazes de interpretar piadas. O riso que passa a ser consciente é uma faculdade humana. Quando a pessoa conhece a ciência da felicidade ela pode tirar proveito disso fazendo com que o riso seja cada vez mais consciente."

 

A neurocientista diz que o riso também está associado à saúde cardiovascular. "Sabe aquela sensação de alívio que sentimos após a gargalhada forte? Ela é consequência de uma diminuição da pressão sanguínea. Durante os momentos de tensão, ao contrário, libera-se o cortisol, o hormônio do estresse, que também está envolvido na configuração neural da insegurança, da tristeza. O sistema cerebral funciona à base de excitar ou inibir circuitos. Você pode escolher se prefere rir e alimentar o sistema da felicidade ou se vai insistir em estimular a estrutura da infelicidade."

 

 

Yahoo!

 

 

 

 

Anúncios