Casamento: o suicídio feminino


 

Casamento:

Melhora a saúde do homem

e piora a da mulher

 IMAGEM: ffffound!

 

   

 

(BR Press) – Segundo pesquisadores espanhóis, o casamento faz bem à saúde do homem e mal à saúde da mulher. Homens casados seriam tão saudáveis quanto mulheres solteiras. Isso porque seriam as mulheres as que mais assumem responsabilidades e se desgatam no dia-a-dia do casamento, enquanto os homens vivem muito parecidamente com a época de solteiros. A mais recente pesquisa do IBGE mostra que o número de divórcios aumentou em 11% de 2006 para 2007. De acordo com os dados, para cada cinco novos casamentos, ocorre um divórcio. Nessa proporção, os resultados indicam que a quantidade de uniões cresceu 3% no mesmo período e que, embora os relacionamentos sofram – e muito –, com as dificuldades da vida a dois, as pessoas ainda apostam no casamento feliz. Esse é o mote do livro Casamento – Missão (Quase) Impossível (Editora Claridade), do psicólogo Eduardo Ferreira-Santos.

 

 

Encontrar um amor para a vida inteira, compartilhando uma vida a dois que nos faça sentir especial é, geralmente, o sonho de todas as pessoas, sejam homens ou mulheres. A máxima "até que a morte os separe" é um sonho distante, mas ainda assim, um sonho. No livro Casamento – Missão (Quase) Impossível é possível perceber que esse quase nunca se concretiza, mas ainda permeia o imaginário coletivo. Na obra, o psiquiatra esclarece que são precisos cuidados minuciosos para que o casamento não vá por água abaixo.

 

A partir de histórias reais, insere o leitor num mundo bastante familiar, com as situações cotidianas dos casais de namorados, onde se encontra a parte "boa" do relacionamento até às brigas enlouquecedoras daqueles que estão casados há mais de vinte anos. Traição, filhos, sexo e separação também estão entre os assuntos do livro.

 

Sem volta

 

Eduardo Ferreira-Santos, que também é autor do livro Ciúme – O Lado Amargo do Amor (Editora Ágora), chama a atenção para aqueles que se dispõem a tudo para manterem seu parceiro em casa, seja um ciúme doentio ou um filho não esperado, e, por mais que a intenção seja boa, essas pessoas acabam por abrir um abismo de complicações. Eduardo também aborda questões como a comunicação perversa e a raiva, na qual a distorção do que se quer dizer é constante e este descontrole pode impulsionar uma ação sem volta.

 

De maneira clara, o livro expõe caminhos a serem trilhados, mas mostra que não há fórmula mágica para o relacionamento. Manter a individualidade, controlar os impulsos e equilibrar os prazeres e as dores são algumas das soluções apresentadas. ?Este livro surge num momento em que os relacionamentos se encontram cada vez mais escassos e difíceis. Assim, saber refletir sobre as próprias atitudes se torna primordial para aqueles que querem e acreditam num casamento mais harmonioso e duradouro.

 

Yahoo!

Que pena, a grande família acabou!

Anúncios