Idoso faz tratamento rejuvenescedor e fica com corpo de 30 anos


 

Idoso ganha corpo de 30 com

"tratamento rejuvenescedor"

 

Jeffrey Life, 69 anos, ficou com o corpo de um homem de 30 anos

 

Um médico americano se tornou o exemplo vivo dos resultados de um tratamento de controle de idade oferecido por uma clínica de Las Vegas, Estados Unidos, que promete rejuvenescer o corpo das pessoas em até décadas a menos. Aos 69 anos e apesar da cabeça com pouco cabelo, o doutor Jeffrey Life conseguiu com o tratamento o corpo parecido ao de um homem de 30 anos. As informações são do Terra Chile.

O centro médico Cenegenics Medical Institute é o responsável pela transformação. Especializado em controlar o avanço da idade, a clínica realiza terapias personalizadas que retardam o processo de envelhecimento biológico ou corrigem os desequilíbrios identificados.

 

Para isso, a instituição aplica uma completa avaliação clínica do paciente – neurológica, psíquica, de imunidade, endócrina, metabólica e nutricional -, apoiada por dados de laboratório. O tratamento envolve ainda injeções de hormônio do crescimento, dieta e exercícios.

 

Pedro Saddi, clínico geral e endocrinologista, pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia, chama a atenção para o fato dessa clínica incluir no tratamento as polêmicas aplicações do hormônio do crescimento (o GH) – uma substância produzida naturalmente pela hipófise (glândula localizada na base do cérebro) e necessária principalmente na infância para o desenvolvimento.

 

Segundo o médico, esse tipo de tratamento só deveria ser feito em indivíduos com deficiência na produção desse hormônio – especialmente crianças – e em alguns casos de doenças crônicas. Caso contrário, a aplicação pode não fazer efeito ou, pior, causar problemas graves de saúde.

 

"Uma metanálise (avaliação de vários estudos) comprovou que doses fisiológicas do hormônio (próximas à quantidade produzida naturalmente pela hipófise), quando aplicadas em atletas, não aumenta os músculos nem melhora o desempenho", alerta. Já o excesso dessa substância, garante Pedro Saddi, pode causar hipertensão, diabetes, insuficiência cardíaca, apnéia do sono, além de aumentar as chances de câncer no intestino grosso.

 

Em 1998, o médico Jeffrey Life ganhou o concurso médico "Uma vida sadia", baseado em um best-seller chamado Corpo para a vida, onde ensina a construir um corpo com a forma física atual da pessoa.

 

 

 

 

Redação Terra

 

Anúncios