O pescoço reflete sua idade


 

 

 

Seu pescoço é seu espelho  

Mais que denunciar a idade, um pescoço mal

cuidado pode acrescer alguns anos.

 

 

 

 

Isso porque a pele dessa região envelhece mais rápido que o rosto. “Muitas mulheres investem tempo e recursos nos cuidados faciais e se esquecem de dar uma atenção especial à área que vai da mandíbula ao colo. O resultado é a discrepância entre o pescoço e o rosto”, comenta Dr. Gilvan Alves, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

 

No campo da prevenção figuram os mesmos recursos usados na face. O ritual deve incluir o uso diário do filtro solar – com fator mínimo de proteção 15, aplicado cerca de dez minutos após o hidratante. “Pode-se usar o mesmo produto indicado para o rosto ou outro, específico para a região, dependendo de cada caso. O hidratante deve ser aplicado em movimentos ascendentes, na direção do colo ao queixo”, esclarece o dermatologista. E mais: a hidratação deve ser feita duas vezes ao dia: pela manhã e à noite.

 

O especialista explica que os cremes faciais mais indicados são os que contêm ácido glicólico, que é extraído da cana-de-açúcar e, por isso, é formado por moléculas menores que as dos ácidos provenientes das frutas. Dessa forma, consegue penetrar mais rápido e profundamente na epiderme. Mas atenção: o uso é recomendado à noite, pois a pele se torna mais sensível e fina, suscetível, portanto, a manchas e irritações quando exposta ao sol.

 

No campo dos tratamentos contra os efeitos do tempo, Dr. Gilvan diz que as principais indicações são os aparelhos Accent e Titan. O primeiro utiliza radiofreqüência, que emite ondas e gera calor diretamente sobre a derme.

 

A ação térmica quebra as células de gordura e estimula o colágeno, melhorando irregularidades na pele. O Titan, à base de luz infravermelha, é usado para aquecer a camada abaixo da superfície da pele. O aquecimento causa uma contração imediata resultando em uma pele mais firme. “Com a combinação dos dois aparelhos e, em apenas cinco sessões, o resultado é visível”, detalha o especialista.

 

Fonte: Carla Furtado – Editoria de Saúde

 

Crédito da foto: FotoFyl / Erifyli Tsavdari

 

Via: NaCabeça 

Anúncios