Fevereiro e Março


 

 
 

Brasil é 30º em ranking mundial de felicidade

 

 

Liberdades individuais ‘são mais importantes do que dinheiro’

O Brasil ocupa o 30º lugar em um ranking de felicidade publicado pela Fundação Nacional da Ciência, uma organização ligada ao governo dos Estados Unidos.

Segundo a pesquisa anual World Values Survey, que envolveu 350 mil pessoas em 97 países e territórios, a Dinamarca é o país mais feliz do mundo, seguido, respectivamente, de Porto Rico (território associado aos Estados Unidos no Caribe) e Colômbia.

 

No outro extremo, Rússia e Iraque ficaram entre os dez menos felizes e o Zimbábue – palco de recentes distúrbios políticos – ficou em último lugar.

 

No estudo, pesquisadores perguntaram a cidadãos questões simples sobre sua felicidade e grau de satisfação com a vida.

 

Prosperidade financeira

 

O estudo foi liderado pelo cientista político Ronald Inglehart, da Universidade de Michigan.

 

Segundo o especialista, ao contrário de outros estudos, com ênfase em fatores econômicos, sua pesquisa revelou que prosperidade financeira não é a única razão para a felicidade.

 

Um sinal disso seria o fato de o país mais rico do mundo, os Estados Unidos, ocupar o 16º lugar na lista.

 

 

 Ranking de felicidade

1) Dinamarca

2) Porto Rico

3) Colômbia

16) EUA

30) Brasil

97) Zimbábue

Fonte: World Values Survey

 

"Nosso estudo indica que a prosperidade está vinculada à felicidade. Ela contribui", disse. "Mas não é o fator mais importante."

 

"Liberdade pessoal é ainda mais importante, e liberdade de várias formas. Liberdade política, como na democracia, e liberdade de escolha."

 

Todos os países nas posições inferiores da lista enfrentam o problema da pobreza ou têm governos autoritários.

 

O Zimbábue, por exemplo, sofre com a hiperinflação e, recentemente, passou por um processo eleitoral marcado por violência.

 

Mundo Mais Feliz

 

Algumas pesquisas anteriores sugerem que níveis de felicidade são estáveis e não podem ser melhorados de maneira duradoura. Outras indicam até mesmo que a felicidade pode ser determinada geneticamente.

 

Mas os autores da World Values Survey afirmam que os níveis de felicidade tanto de indivíduos como de sociedades inteiras podem mudar.

 

De acordo com o estudo, que vem sendo feito desde 1981, de maneira geral, o mundo está ficando mais feliz.

 

Inglehart disse que a igualdade entre os sexos é um outro indicador de felicidade, assim como tolerância étnica e social. E, segundo o especialista, tem havido uma melhoria

 

 

 

                                     BBCBrasil

 

Anúncios